fbpx
Imagem-Academia-renew

Seja bem-vindo à ACADEMIA INTERNACIONAL DE LITERATURA BRASILEIRA – AILB.

Entre atividades literárias e culturais diversas, a ACADEMIA atribuirá, anualmente, os  DESTAQUES  DA LITERATURA INTERNACIONAL BRASILEIRA, ressaltando escritores que estejam contribuindo para a expansão da presença literária brasileira, dentro e fora do Brasil.

Anualmente, a ACADEMIA INTERNACIONAL DE LITERATURA BRASILEIRA vai  divulgar e incentivar a produção literária brasileira de maneira mais enfática no exterior.

Permanecerão publicados aqui nesta página oficial da ACADEMIA INTERNACIONAL DE LITERATURA BRASILEIRA, textos e fotos referentes a cada um dos premiados, os quais terão como patrono na ACADEMIA, um célebre nome da cultura brasileira.

Premiados 2020

eliane

PATRONESSE: ESCRITORA ELIANE POTIGUARA

Escritora, poeta, ativista, professora de origem Potiguara, possui o título de Cavaleiro da Ordem do Mérito Cultural do Brasil, fundadora do Grupo de Mulher – Educação Indígena, Embaixadora da Paz pelo Círculo de Escritores da França. Vários livros publicados, seus textos são premiados internacionalmente, sendo representante da literatura brasileira indígena.

PREMIADA: ESCRITORA E ATIVISTA MÁRCIA WAYNA KAMBEBA 

Márcia Wayna Kambeba é indígena do povo Omágua/Kambeba do Amazonas, nasceu na aldeia Belém do Solimões em 1979 e se criou na cidade de São Paulo de Olivença -AM.  Mora em Castanhal -PA é casada e tem um filho de 11 anos portador de autismo. Na sua formação acadêmica é geógrafa pela Universidade do Estado do Amazonas, especialista em Educação Ambiental e mestre em Geografia pela Universidade Federal do Amazonas. É escritora, poeta. compositora, fotógrafa, palestrante, ativista, professora. Desenvolve um trabalho em que apresenta as várias linguagens da arte para falar da resistência dos povos indígenas e da Amazônia. É membro da Academia Formiguense de Letras (AFL) na cidade de Formiga MG, recebeu a comenda Paulo Frota de Direitos Humanos pela Assembleia Legislativa do Estado do Pará por atuações relevantes em prol dos direitos dos povos indígenas. Seu próximo lançamento pela Underline Publishing é o livro “Kumiça Jenó: Narrativas poéticas dos seres da floresta”.

amir

PATRONO: ESCRITOR E NAVEGADOR AMIR KLINK

Navegador e escritor brasileiro. Ele foi a primeira pessoa a fazer a travessia do Atlântico Sul a remo, em 1984, a bordo do barco IAT. Além de escrever livros, Amyr Klink faz palestras sobre planejamento, motivação, trabalho em equipe, liderança, empreendedorismo, entre outros temas, no Brasil e no exterior.
É pioneiro na área de palestrantes esportistas: em 33 anos de experiência, conta com mais de 2.500 palestras realizadas em 13 países. Ministra palestras em quatro idiomas (inglês, francês, espanhol e português).
É diretor da Amyr Klink Planejamento e Pesquisa Ltda. e da Amyr Klink Projetos Especiais Ltda. É sócio fundador do Museu Nacional do Mar, localizado em São Francisco do Sul (SC) e da Revista Horizonte.

PREMIADA: ESCRITORA E ATIVISTA HELOÍSA SCHURMANN

Autora de cinco livros, “Dez Anos no Mar”(1995), “Um Mundo de Aventuras”(2002), “Em Busca do Sonho” (2006), “Expedição Orient”e (2019) e do best-seller “Pequeno Segredo” (2013) lançado na Itália e no Brasil, que foi inspiração para um filme de longa metragem, que representou o Brasil no Oscar (2017), e o livro infanto juvenil: “As Aventuras da Formiga e Capitão” em coautoria com a escritora Nereide Santa Rosa em 2020. Formada em Pedagogia, cursou inglês na New York University. Heloísa é mãe da primeira família brasileira a dar a volta ao mundo a bordo de um veleiro, por dez anos, e educou os filhos Pierre, David, Wilhelm e Kat, em duas expedições marítimas.

Navegadora e exploradora, passou trinta e cinco anos vivendo no mar, visitou sessenta e cinco países, é uma contadora de histórias, e nos leva a viajar em suas três aventuras ao redor do mundo através de seus livros.

Seu Programa Pedagógico “Educação na Aventura” foi acompanhado por mais de 2 milhões de alunos no Brasil e nos Estados Unidos. Ela é responsável pelo núcleo de dramaturgia da produtora e conteúdo digital da Família Schurmann.

Desde 1995 é palestrante para grandes corporações e eventos públicos no Brasil e no exterior, e falou para um público de 10 mil pessoas com sua apresentação no TEDx Educação em São Paulo 2017.

Ativista ambiental, trabalha com a família, na conscientização sobre a poluição dos plásticos nos oceanos. Defensora da campanha “Mares Limpos do Programa das Nações Unidas pelo Meio Ambiente”, ela está trabalhando na iniciativa “Voz dos Oceanos’, próxima Expedição com saída em 2021.

Paulo_Freire

PATRONO: ESCRITOR E EDUCADOR PAULO FREIRE 

É considerado um dos pensadores mais notáveis na história da pedagogia mundial, tendo influenciado o movimento chamado pedagogia crítica. É também o Patrono da Educação Brasileira. Destacou-se por seu trabalho na área da educação popular, voltada tanto para a escolarização como para a formação da consciência política. Autor de Pedagogia do Oprimido, livro que propõe um método de alfabetização dialético, se diferenciou do “vanguardismo” dos intelectuais de esquerda tradicionais e sempre defendeu o diálogo com as pessoas simples, não só como método, mas como um modo de ser realmente democrático. Trata-se da terceira obra mais citada em trabalhos acadêmicos da área de humanas em todo o mundo

PREMIADO: PROFESSOR DR. GERALDO PEÇANHA DE ALMEIDA 

Prof. Dr. Geraldo Peçanha de Almeida é psicanalista pela “Sociedade Internacional de Psicanálise de São Paulo”. É pedagogo pela “UNESP-Universidade Estadual Paulista, de São Paulo”. Mestre em “Teoria Literária pela Universidade Federal do Paraná e doutor em Crítica literária pela Universidade Federal de Santa Catarina”. É autor de mais de setenta livros, entre infantis, livros para educadores, livros para pais e livros de autoconhecimento.

Tem trabalhos internacionais com professores e crianças na Alemanha, Itália, Áustria, Bolívia e no Japão. Implantou na África, em Moçambique, um programa de leitura e escrita. Fez estudos de aperfeiçoamento em Educação Especial em Cuba. Tem 25 anos de experiência em educação de crianças e jovens e faz palestras em todos os Estados do Brasil. Atualmente fundou o “Projeto Pólen”, em Curitiba no Paraná, do qual é diretor.

caio_fernando

PATRONO: ESCRITOR CAIO FERNANDO LOUREIRO DE ABREU

Foi um jornalista, dramaturgo e escritor brasileiro. Apontado como um dos expoentes de sua geração, a obra de Caio Fernando Abreu, escrita num estilo econômico e bem pessoal, fala de sexo, de medo, de morte e, principalmente, de angustiante solidão. Apresenta uma visão dramática do mundo moderno e é considerado um “fotógrafo da fragmentação contemporânea”. Seu primeiro romance, Limite branco (1970), já possui as marcas que iriam acompanhar sua trajetória literária: a angústia diante do devir e a morte como certeza no final da jornada. Segundo sua perspectiva literária, a vida deve ser buscada continuamente. Em 2018, a editora Companhia das Letras reuniu no livro “Contos Completos” todos os contos de Caio Fernando Abreu. O volume abarca seis títulos — Inventário do ir-remediável (1970), O ovo apunhalado (1975), Pedras de Calcutá (1977), Morangos mofados (1982), Os dragões não conhecem o paraíso (1988) e Ovelhas negras(1995) —, além de dez contos avulsos, sendo três deles inéditos em livro.

PREMIADA: ESCRITORA E ATIVISTA FERNANDA DO VALLE

Fernanda do Valle, nascida no Rio de Janeiro, em 17/03/1978, formou-se em Turismo, pela Puccamp, em 1999. Em 2009, após detectar, aceitar e tratar seu transtorno alimentar, lançou o seu primeiro livro “Eu, ele e a enfermeira… na luta contra a anorexia”. Desde então, passou a dedicar parte de seu tempo fazendo palestras, alertando os jovens e pais sobre os perigos dessa doença. Lançou ainda “Dos Desencontros ao encontro”, “Tesselas – A família mosaico”, “De: filha Para: pai” e “Crônicas de Frenelda – Aventuras na Terra do Tio Sam”. Em 2015, após se mudar para os USA, formou-se em fotografia, pelo “The New York Institute of Photography”. No final de 2019, a autora lançou o seu sexto livro “Liberte-se: Você nasceu para ser real, não perfeita”, para comemorar dez anos de carreira como escritora e para celebrar dez anos da sua recuperação. Neste último projeto, em uma convergência da sua arte de escrever e de fotografar, Fernanda foi buscar um canal de comunicação para inspirar, encorajar, desafiar e promover a libertação de outras mulheres. É uma luta por visibilidade social e respeito. É um movimento artístico coletivo e de ruptura dos padrões de beleza impostos pela nossa sociedade. Esse projeto trouxe 60 mulheres brasileiras que foram fotografadas, com frases escritas em seus corpos, com mensagens de libertação e empoderamento feminino. Em 2020, a escritora teve a sua primeira obra traduzida para o inglês, com o título “Together… Our fight against Anorexia” pela editora Underline Publishing.

Cecília_Meireles

PATRONESSE: ESCRITORA CECÍLIA MEIRELLES

Jornalista, pintora, poeta, escritora e professora brasileira. É um nome canônico do modernismo brasileiro, uma das grandes poetas da língua portuguesa e é amplamente considerada a melhor poeta do Brasil, embora tenha combatido a palavra poetisa por causa da discriminação de gênero. Poeta, cronista, teatróloga e jornalista, Cecília também teve uma renomada carreira de tradutora literária, pelo que recebeu mais de um prêmio e reconhecimentos internacionais.. Dentre as obras que verteu ao português, destacam-se as traduções de poemas de Rabindranath Tagore, pelo que recebeu título de Doutora Honoris Causa pela Universidade de Delhi na Índia.

PREMIADA: ESCRITORA CLARA ARREGUY (MARIA CLARA ARREGUY MAIA)

Clara Arreguy (Maria Clara Arreguy Maia) nasceu em Belo Horizonte em 1959 e vive em Brasília desde 2004. Jornalista, atuou em jornais, revistas, empresas e assessorias de comunicação. Depois de trabalhar por 30 anos como repórter, crítica, editora e cronista em diversos órgãos de Minas e da capital federal, aposentou-se e criou a “Outubro Edições”, que até julho de 2020 já havia publicado 60 títulos, entre os de sua autoria e os de outros escritores.

Como autora, possui 25 títulos. Os primeiros publicados foram o romance “Segunda divisão (Lamparina)” e “As memórias de Fafich (Conceito)”, ambos em 2005. Com o passar dos anos lançou seguidos livros e ampliou sua área de atuação, dialogando com crianças, jovens e adultos, em gêneros como romance, conto, crônica, infantis e juvenis. Hoje é dirigente do “Instituto Cultural Casa de Autores”, de Brasília, e participa do movimento “Mulherio das Letras”.

Seu novo desafio, nos últimos dois anos, é atuar no exterior. Participou, em 2018, do “Brasilienisches Kulturfestival, em Viena (Áustria) e, em 2019, da “Feira do Livro de Frankfurt” (Alemanha). Para atingir públicos fora do Brasil, possui o livro infantil “Oma vergisst alles” (Girabrasil), traduzido para o alemão de seu “A vovó fala tudo errado”; o romance “Sigue las flechas amarillas – de bici por el camino de Compostela” (versão em espanhol de “Siga as setas amarelas – de bicicleta no caminho de Compostela”); o conto “Chico Paquequer, a football tale”, e-book em versão bilíngue português-inglês e seu novo romance, “O quarto canal”, que será lançado em português e inglês durante o Focus Brasil NY 2020.

lygia

PATRONESSE: ESCRITORA LYGIA FAGUNDES TELLES

Considerada “a dama da literatura brasileira” é uma escritora brasileira, considerada por acadêmicos, críticos e leitores uma das mais importantes e notáveis escritoras brasileiras do século XX e da história da literatura brasileira. Além de advogada, romancista e contista, Lygia tem grande representação no pós-modernismo, e suas obras retratam temas clássicos e universais como a morte, o amor, o medo e a loucura, além da fantasia.

PREMIADA: ESCRITORA E ATIVISTA CHRIS HERMANN 

Chris Herrmann é musicista, editora, escritora, poeta carioca, radicada na Alemanha desde 1996. No Brasil, estudou literatura, música e webdesign. É pós-graduada em Musikgeragogik na Alemanha. Organizou e participou de diversas antologias de poesia. É autora dos livros de poesia “Voos de Borboleta (Tubap/Clube de Autores, 2015”, “Na Rota do Hai y Kai (Tubap, 2015)”, “Gota a Gota (Scenarium, 2016)”, “Cara de Lua (Sangre Editorial/Mulheres Emergentes, 2019)”, dos romances “Borboleta — a menina que lia poesia, São Paulo: Patuá, 2018” e “Peccatum (Arribaçã Editora, 2020)”, e de contos “Entre Amoras e Amores(Ser MulherArte Editorial, 2020)”. Tem poemas publicados (em algumas também colaborou como autora) nas revistas eletrônicas “Algo a Dizer (colaboradora)”, “Zona da Palavra”, “Blocos Online” (colunista), “Revista Plural — Scenarium” (colaboradora), “Mallarmargens” (colaboradora), “Germina”, “Ruído Manifesto”, “Revista Caliban”, “Literatura & Fechadura”, “Mirada”,  entre outras. É editora da “Revista Ser MulherArte”.

Vinicius

PATRONO: POETA E DIPLOMATA VINÍCIUS DE MORAES

Vinicius de Moraes, nascido Marcus Vinicius de Moraes (1913 — 1980), foi um poeta, dramaturgo, jornalista, diplomata, cantor e compositor brasileiro. Poeta essencialmente lírico, o que lhe renderia o apelido “poetinha”, que lhe teria atribuído Tom Jobim, notabilizou-se pelos seus sonetos. Sua obra é vasta, passando pela literatura, teatro, cinema e música. Ainda assim, sempre considerou que a poesia foi sua primeira e maior vocação, e que toda sua atividade artística deriva do fato de ser poeta. No campo musical, o poetinha teve como principais parceiros Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell, João Gilberto, Chico Buarque e Carlos Lyra.

PREMIADOS: MÚSICOS E AUTORES, KLEITON E KLEDIR

Kleiton & Kledir é uma dupla de músicos brasileira. Formado pelos irmãos Kleiton Alves Ramil (Pelotas, 23 de agosto de 1951) e Kledir Alves Ramil (Pelotas, 21 de janeiro de 1953), são cantores e compositores de música popular brasileira. Em 1980 saiu o primeiro disco da dupla. O sucesso foi imediato e os shows atraíam muitos por todo o Brasil. Lançaram cinco discos (mais um em espanhol) o que lhes rendeu disco de ouro e shows nos Estados Unidos, Europa e América Latina. Gravaram em Los Angeles, Nova Iorque, Lisboa, Paris, Miami e Buenos Aires. Suas composições foram gravadas por Simone, Nara Leão, MPB4, Caetano Veloso, Xuxa, Fafá de Belém, Nenhum de Nós, Zizi Possi, Ivan Lins, Chitãozinho e Xororó, Zezé di Camargo e Luciano, Leonardo, Belchior, Emilio Santiago, Cláudia Leitte e muitos outros. Também pelo mundo afora suas músicas ganharam versões de grandes artistas, como os argentinos Mercedes Sosa e Fito Páez, a cantora portuguesa Eugénia Melo e Castro e a japonesa Chie Sawaguchi.Kleiton & Kledir trouxeram definitivamente para a cultura brasileira a nova música gaúcha. Eternizaram um sotaque diferente, uma maneira própria de falar e cantar, com termos até então desconhecidos como “deu pra ti” e “tri legal”. Segundo um crítico da época, parecia “uma dupla de ingleses, cantando numa língua que lembra o português. Acabaram se transformando em símbolos do gaúcho contemporâneo, do homem moderno do sul do Brasil, o que fez com que o governo do estado lhes conferisse o título de “Embaixadores Culturais do Rio Grande do Sul”.

Além de compositor, Kledir Ramil também se envereda pelos campos da escrita. Costuma publicar crônicas em publicações do estado e no jornal “Brazilian Voice”, de Nova Iorque, direcionado para os brasileiros que vivem nos Estados Unidos. Parte dessas crônicas estão reunidas no livro “Crônicas para ler na escola”, da coleção “Para Ler na Escola”, da editora Objetiva. Ele foi o primeiro convidado do projeto “Autor no Palco” dentro da programação na área infantil e juvenil da Feira do Livro. Segundo Ramil, escrever prosa é mais libertador, já que uma canção tem regras muito mais rígidas.

ana-maria-machado

PATRONESSE : ESCRITORA ANA MARIA MACHADO

Ana Maria Machado (1941) é formada em Letras pela Universidade do Brasil, Ana Maria Machado lecionou na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Como jornalista, trabalhou por mais de dez anos na Rádio Jornal do Brasil. Foi uma das fundadoras, em 1980, da primeira livraria infantil no Brasil, a Malasartes (no Rio de Janeiro), que existe até hoje. Nessa década ela publicou mais de quarenta livros, e em 1981 recebeu o Prêmio Casa de las Américas com o livro De Olho nas penas. O reconhecimento mundial das obras de Ana Maria Machado aconteceu em 2000, quando recebeu o Prêmio Hans Christian Andersen, o mais importante prêmio de literatura infantil.[2] No mesmo ano foi agraciada com a Ordem do Mérito Cultural. Foi ganhadora do Prêmio Jabuti de Literatura em 1978. É a sexta ocupante da cadeira 1 da Academia Brasileira de Letras (ABL), cujo patrono é o poeta Adelino Fontoura. Foi eleita em 24 de abril de 2003, na sucessão de Evandro Lins e Silva, e recebida em 29 de agosto de 2003 pelo acadêmico Tarcísio Padilha.

PREMIADO: ESCRITOR INFANTIL JOÃO PAULO GUERRA BARRERA

João Paulo Guerra Barrera, 10 anos, três livros bilíngues publicados, o mais jovem a vencer concurso mundial da NASA, vencedor concurso mundial da ESA, apoiador Agenda ONU 2030, Brasileiro do ano 2017 na Educação, palestrante “Singularity University”, MIT, NASA e ONU, “Embaixador NASA Science Days Brazil”, operador de ações sociais focado na educação exponencial, respeito e consciência sustentável, e defensor da língua portuguesa como língua de herança. Para JP, o futuro é agora!

Sebastiao_Salgado

PATRONO: FOTÓGRAFO SEBASTIÃO SALGADO

Sebastião Salgado (1944) nasceu na vila de Conceição do Capim, viveu sua infância em Expedicionário Alício, graduou-se em Economia pela Universidade Federal do Espírito Santo (1964-1967) e realizou pós-graduação na Universidade de São Paulo. Salgado inicialmente trabalhou como secretário para a Organização Internacional do Café (OIC). Em suas viagens de trabalho para a África, muitas vezes encomendado conjuntamente pelo Banco Mundial, fez sua primeira sessão de fotos, nos anos 70, com a Leica da sua esposa. Fotografar o inspirou tanto que logo depois ele tornou-se independente em 1973, como fotojornalista e, em seguida, voltou para Paris.

Encarregado de uma série de fotos sobre os primeiros 100 dias de governo de Ronald Reagan, Salgado documentou o atentado a tiros cometido por John Hinckley, Jr. contra o então presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan no dia 30 de março de 1981, em Washington. Seu primeiro livro, Outras Américas, sobre os pobres na América Latina, foi publicado em 1986. Na sequência, publicou Sahel: O “Homem em Pânico” resultado de uma longa colaboração de doze meses com a organização não governamental Médicos sem Fronteiras cobrindo a seca no Norte da África. Entre 1986 e 1992, ele concentrou-se na documentação do trabalho manual em todo o mundo, publicada e exibida sob o nome “Trabalhadores rurais”, um feito monumental que confirmou sua reputação como foto documentarista de primeira linha. De 1993 a 1999, ele voltou sua atenção para o fenômeno global de desalojamento em massa de pessoas, que resultou em Êxodos e Retratos de Crianças do Êxodo, publicados em 2000 e aclamados internacionalmente. Ao longo dos anos, Sebastião Salgado tem contribuído generosamente com organizações humanitárias incluindo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, (ACNUR), a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ONG Médicos sem Fronteiras e a Anistia Internacional. Com sua esposa, Lélia Wanick Salgado, apoia atualmente um projeto de reflorestamento e revitalização comunitária em Minas Gerais.

PREMIADO: FOTÓGRAFO E AUTOR LUIS EDUARDO SALVATORE

Luis Eduardo Salvatore é fotografo, autor, diretor presidente e fundador do “Instituto Brasil Solidário”, organização social que completa 20 anos de atuação é  responsável e idealizador do “PDE – Programa de Desenvolvimento da Educação”, metodologia que promove aumentos em indicadores como IDEB através de formação de educadores e aplicação de temas transversais (BNCC/ODS) de alto impacto com a construção de escolas modelo e formação de educadores em todo Brasil. Recebeu o prêmio “Personalidade do Ano” na categoria Responsabilidade Social 2019,promovido pela BrazilCham, em Nova York, Estados Unidos da América, em reconhecimento a histórica atuação do IBS em âmbito social e educacional no Brasil. Desde 2001, promove ações de leitura em cidades de baixo acesso cultural, incluindo a montagem de bibliotecas completas, programas de formação em mediação de leitura para educadores e jovens e projetos de estímulo literário instituídos como políticas públicas, entre eles o movimento “30 Minutos pela Leitura”, “São João Literário” e “Anjos da Leitura”, aonde, em 20 anos, foram montadas mais de 273 bibliotecas com cerca e 1 milhão de livros distribuídos gratuitamente em 1.034 escolas trabalhadas, e formados 18.222 educadores em 177 cidades nas 5 regiões do país.

claricelispector

PATRONESSE: ESCRITORA CLARICE LISPECTOR

Clarice Lispector (1920 — 1977) foi uma escritora e jornalista ucraniana naturalizada brasileira. Autora de romances, contos e ensaios, é considerada uma das escritoras brasileiras mais importantes do século XX e a maior escritora judia desde Franz Kafka. Sua obra está repleta de cenas cotidianas simples e tramas psicológicas, reputando-se como uma de suas principais características a epifania de personagens comuns em momentos do cotidiano. Quanto às suas identidades nacional e regional, declarava-se brasileira e pernambucana.

Estudou Direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro, conhecida como Universidade do Brasil, apesar de, na época, ter demonstrado mais interesse pelo meio literário, no qual ingressou precocemente como tradutora, logo se consagrando como escritora, jornalista, contista e ensaísta, tornando-se uma das figuras mais influentes da Literatura brasileira e do Modernismo, sendo considerada uma das principais influências da nova geração de escritores brasileiros. É incluída pela crítica especializada entre os principais autores brasileiros do século XX. Suas principais obras marcam cada período de sua carreira. Perto do Coração Selvagem foi seu livro de estreia, publicado quando Clarice tinha 24 anos de idade; Laços de Família, A Paixão segundo G.H., A Hora da Estrela e Um Sopro de Vida são seus últimos livros publicados.. Deixou uma vasta obra literária composta de romances, novelas, contos, crônicas, literatura infantil e entrevistas.

PREMIADA: ESCRITORA JOYCE CAVALCCANTE

Joyce Cavalccante é uma representativa escritora brasileira com treze livros publicados e traduzidos para seis idiomas. É narradora de uma prosa agradável e instigante que encanta os leitores desde o primeiro parágrafo. É romancista: “Inimigas Íntimas”, “O Cão Chupando Manga”, “Costela de Eva”, “De Dentro Para Fora”, “Entre o Ver e o Imaginar”. Contista: “O Discurso da Mulher Absurda”, “Longos Trechos de Dias Líquidos”, “Livre & Objeto”, “Retalhos Místicos”; Teatróloga: “Noites Masculinas”. É palestrante no âmbito nacional e internacional. Carrega na bagagem alguns prêmios Literários entre eles: “Prêmio APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte” – de melhor ficção por seu romance Inimigas Intimas. “Prêmio Radio France Internationale”, pelo conto Neguinha. E uma gratificante condecoração da Academie des Arts, Sciences et Lettres também na França.

É, por formação, cientista Política; e, por devoção, presidente e fundadora da “REBRA-Rede de Escritoras Brasileiras”, organização sem fins lucrativos, que reúne mais de 5.000 escritoras associadas no Brasil, promovendo as mulheres escritoras desde  1999, trabalhando em conjunto com a “RELAT – Rede Escritoras Latino Americanas” e com a “Women’s World – Women World Organization for Rights com sede nos Estados Unidos.”

Premiados 2019

dias-gomes

PATRONO: DRAMATURGO DIAS GOMES

Alfredo de Freitas Dias Gomes (1922-1999), mais conhecido pelo sobrenome Dias Gomes, foi um romancista, dramaturgo, autor de telenovelas e membro da Academia Brasileira de Letras.

PREMIADO: DRAMATURGO SYLVIO DE ABREU

Ator, diretor, roteirista, autor de telenovelas e telesséries e escritor brasileiro. Em suas obras, tornou-se famoso por adotar o estilo policial e por ambientá-las na cidade de São Paulo, onde mora. Entre as suas obras mais famosas estão as telenovelas Guerra dos Sexos, Cambalacho, Sassaricando, Rainha da Sucata, Deus Nos Acuda, A Próxima Vítima, Torre de Babel e Belíssima. Em junho de 2013, Sílvio lançou o livro “Crimes no Horário Nobre – A Teledramaturgia de Sílvio de Abreu” no Rio de Janeiro e em São Paulo. A obra, escrita por Raphael Scire, tem um prefácio de Gilberto Braga e conta a trajetória de Sílvio e seu trabalho como ator, diretor e autor de telenovelas.

nelson-pereira

PATRONO: CINEASTA NÉLSON PEREIRA DO SANTOS

Nelson Pereira dos Santos ( 1928 – 2018) foi um diretor de cinema brasileiro. Tendo sido um dos fundadores do movimento do Cinema Novo, sua produção atravessa um período de 60 anos na história do Brasil. Considerado um dos mais importantes cineastas do país, foi fortemente influenciado pelas obras da geração de 1930 do modernismo literário brasileiro, tendo adaptado para o cinema obras de Graciliano Ramos e Jorge Amado. Seu filme Vidas Secas, baseado no romance de Graciliano, é um dos filmes brasileiros mais premiados em todos os tempos, sendo reconhecido como obra-prima.

PREMIADA: PROFESSORA E PESQUISADORA ELSE R. P. VIERA

Professora Catedrática de Estudos Brasileiros e Latino-Americanos Comparados da Universidade de Londres (Queen Mary College) desde 2001, onde também coordena o Setor de Português e é editora de resenhas do Hispanic Research Journal. Trabalhou anteriormente na Universidade Federal de Minas Gerais onde foi também Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários. Atuou como professora visitante na Universidade de Oxford (1999-2000), como pesquisadora sênior da Universidade de Nottingham (2001-20030 e como Professora Visitante do Exterior junto ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Juiz de Fora (2013-2014), onde continua atuando como professor colaborador,. Escreveu inúmeros livros, sendo de maior destaque o livro City of God in Several Voices. É também muito conhecida pelo banco de dados Landless Voices(www.landless-voices.org) lançado na Casa dos Comuns (Londres) e pela pesquisa de ponta sobre os escritores brasileiros no exterior. Foi agraciada com a medalha Machado de Assis pelo Brazilian Endowment and Brazilian Library of New York em 2015 pelo trabalho de divulgação da cultura brasileira no exterior.

machado-de-assis

PATRONO: ESCRITOR MACHADO DE ASSIS

Joaquim Maria Machado de A (1839 — 1908) foi um escritor brasileiro, considerado por muitos críticos, estudiosos, escritores e leitores um dos maiores senão o maior nome da literatura do Brasil. Para o crítico literário estadunidense Harold Bloom, Machado de Assis é o maior escritor negro de todos os tempos. Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário Testemunhou a Abolição da escravatura e a mudança política no país quando a República substituiu o Império, além das mais diversas reviravoltas pelo mundo em finais do século XIX e início do XX, tendo sido grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época . Fundou a Academis Brasileira de Letras.

PREMIADO: PROFESSOR E ESCRITOR DOMÍCIO COUTINHO

José Domício Coutinho é autor, fundador da Biblioteca Brasileira em Nova York. Nasceu em João Pessoa , Brasil, em 1931, migrou para os Estados Unidos em 1959. Ele é bacharel em Teologia Aristotélica Tomística pela Universidade Gregoriana de Roma, bacharel em línguas anglo-saxônicas pela Universidade Jesuíta de Recife, Brasil, possui mestrado e doutorado em Literatura Comparada pela City University of New York (CUNY). Em 2006, Coutinho fundou a Biblioteca Brasileira de Nova York, que abriga 7.000 títulos, com auditório para eventos, conferências, encontros literários, filmes e performances dramáticas. A biblioteca foi visitada por importantes representantes do governo, diplomacia e academia. Como pioneira em diversas atividades e tradições culturais, a biblioteca parece ser a primeira e única do gênero a operar dentro e fora do Brasil. Coutinho é o autor do romance Duke the Dog Priest . Ele também foi o autor de Salomônica , uma coleção de poemas de memória e amor. Em 1999, Coutinho fundou a Associação Brasileira de Escritores de Nova York (UBENY). Em 2002, ele foi admitido como comandante da Ordem de Rio Branco , uma instituição brasileira que homenageia aqueles que se destacaram em realizações culturais e patrióticas. Em 2004, Coutinho fundou a Fundação Brasileira para as Artes (BEA), uma organização sem fins lucrativos para preservar e promover as tradições artísticas, literárias e culturais brasileiras para as comunidades brasileira / americana e latino-americana, bem como para o público. de diferentes origens, interessados nas artes da linguagem musical e nas tradições culturais do Brasil. Em 2004, Coutinho criou a Medalha de Mérito Machado de Assis para homenagear aqueles que se destacaram nas Tradições Culturais Brasileiras.